Transplante Osseo na Real

Um diario sobre o tema

Arquivo de fotografia

Fotógrafo realiza sonho de criança que vive em cadeira de rodas

Quando a arte não imita a vida, mas dá vida…

Vale a pena clicar no link abaixo e ver o ensaio fotográfico.

Fotógrafo realiza sonho de criança que vive em cadeira de rodas

Fotógrafo usa água para falar de saúde e superação

frente cartao

“O melhor está sempre por vir, se não der certo é porque não chegou ao fim”. Essa foi a idéia do fotógrafo Beto Monteiro ao montar a exposição “Gota”, no hospital Daher, em Brasília. De acordo com o artista, já que as fotos estão em um hospital, o objetivo era dar esperança às pessoas, especialmente àquelas que estão se tratando há algum tempo, de que as coisas podem melhorar.

“Gota” utiliza a água para falar de saúde. Beto Monteiro conta que o tema “chegou de forma desafiadora”. Ele lembra que o conceito da exposição ficou claro para ele quando, num dia de chuva, observou da janela uma poça de água que se formava e os desenhos que dali surgiam assim que a água batia na poça. “O que a gente tem feito para cuidar da água, que é fonte vital, original, da vida?”, questiona.

Mas de que forma as fotos da água retratam a saúde?

Beto Monteiro explica:

“As fotos conversam entre si, contam uma história”. As pessoas que puderem conferir o trabalho vão acompanhar a trajetória de uma gota, que representa o indivíduo. “Depois vem uma foto que propõem um desafio, um embate. Depois vem uma outra que mostra a superação deste obstáculo, e uma que é a reflexão deste momento vivido. Depois vem a plenitude, o alívio”.

Beto diz que, à principio, a idéia era colocar o som da água, o que, inclusive, poderia trazer uma certa acessibilidade à exposição. Segundo ele, isso serviria para “dar uma idéia multisensorial, uma ambientação das imagens”.

“Esse trabalho só me trouxe coisa boa. Foi um trabalho de captação de imagens de gota d´água. No momento em que eu captava essas imagens, eu tinha várias sensações diferentes, que me remetiam à infância. Coisas que vinham à tona só de produzir essas imagens”. O fotógrafo que já desenvolveu trabalhos para o Comitê Paraolímpico Brasileiro conta que fica feliz ao despertar nas pessoas as diversas sensações, especialmente ao fazê-las se relacionar com a questão da superação de barreiras, que é, de acordo com ele, o objetivo de “Gota”.

A exposição, gratuita, está montada num espaço antes destinado exclusivamente aos médicos artistas deste hospital. O fotografo conta que foi o primeiro convidado após essa “abertura” e, por isso, ele explica que pensou muito no que mostrar, pois não queria ser repetitivo nem cansativo. “Eu me senti muito honrado quando surgiu a idéia, pois eu pude gerar a criação em torno do ambiente hospitalar e, ao mesmo tempo, criar algo que estivesse envolvido indiretamente com a questão”.

Fazer uma analogia com a água para tratar de saúde confere à questão um aspecto positivista. E o positivismo também está na visão que o fotografo tem da saúde pública no país. “O Brasil é um dos únicos países onde a saúde publica ainda é gratuita. Basta chegar com a identidade e você é atendido”. Mas ele critica: “Os problemas são os desvios, a falta de compromisso, o péssimo gerenciamento dos recursos repassados para essa finalidade e que não são empregados devidamente”.

Quem quiser conferir a exposição, tem até o dia 4 de agosto. Mas essa data pode mudar. Beto adianta que, como o trabalho foi bem recebido, existe a possibilidade de se colocar mais fotos e prolongar o tempo da exposição.

“Gota” está aberta todos os dias no Espaço Cultural Daher, de 8 da manhã às 9 da noite. Segundo o hospital, o lugar é acessivel para deficientes.