Transplante Osseo na Real

Um diario sobre o tema

Teste pode detectar artrite reumatoide precocemente, publica Folha Online

IARA BIDERMAN
colaboração para a Folha de S.Paulo

Um exame de sangue pode identificar o risco de desenvolvimento de artrite reumatoide vários anos antes de surgirem os primeiros sintomas, sugere um estudo realizado na Universidade de Umea (Suécia).

A artrite reumatoide é uma doença autoimune que ataca as articulações, causando inflamação, erosão óssea e, se não controlada, deformidades e incapacitação. Não tem cura, mas, se tratada na fase inicial, a doença pode ser controlada e as consequências mais graves podem ser evitadas.

Atualmente, o diagnóstico é feito quando surgem os sintomas. Mas, como os primeiros sinais do distúrbio podem ser confundidos com sintomas de outras doenças, nem sempre o tratamento é iniciado tão cedo quanto seria desejável.

O estudo, que será publicado no periódico científico “Arthritis & Rheumatism”, aponta novas perspectivas para o controle da doença. “A possibilidade de identificar marcadores [da doença] antes de ela surgir, além de tornar o diagnóstico mais precoce, pode ajudar na prevenção, principalmente no sentido de mudar fatores de risco como tabagismo e obesidade”, diz José Carlos Szajubok, reumatologista do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo e da Faculdade de Medicina do ABC.

A equipe da Universidade de Umea identificou 30 citocinas, substâncias relacionadas a processos inflamatórios, que aparecem aumentadas nas pessoas com artrite reumatoide. Por meio de um exame de sangue, os níveis dessas substâncias foram medidos em pessoas que ainda não apresentavam sinais do distúrbio.

Após cinco anos, os pesquisadores constataram que as pessoas que desenvolveram artrite reumatoide foram as que já tinham os níveis dessa substância aumentada antes do surgimento da doença. Quando os 30 tipos de citocina estavam aumentados, a chance de a pessoa ter artrite reumatoide nos próximos anos foi de 86%, de acordo com o estudo.

Possibilidades futuras

Segundo a reumatologista Suely Roizenblatt, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), o trabalho confirma estudos anteriores, que apontavam a relação entre substâncias inflamatórias e doenças reumatológicas.

Para Szajubok, a possibilidade de descobrir a doença e intervir desde o início é um dos focos principais das pesquisas na área. Ele acredita, porém, que um teste rotineiro de sangue, como o do estudo, é algo para o futuro. “Por enquanto, estamos trabalhando com a melhoria dos testes que confirmam o diagnóstico mais rapidamente. Pelos critérios atuais, é preciso esperar pelo menos seis semanas com os sintomas para dar o diagnóstico”, diz ele.

Roberto Heymann, presidente do Comitê de Dor e Fibromialgia da Sociedade Brasileira de Reumatologia, acredita que o papel do exame avaliado no estudo pode ser o de ajudar na criação de exames mais específicos que confirmem o diagnóstico. “Mas não creio que seja um exame para se pedir a todos. Porém, ele ajuda a entender melhor o distúrbio e a tentar descobrir quais fatores inflamatórios aumentam primeiro. Sabendo disso, podemos atacar melhor a doença. E hoje já podemos, com um tratamento mais agressivo desde o começo, obter até a remissão dos sintomas”, afirma Heymann.

Fonte: Folha Online

Anúncios

No comments yet»

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: